Especialistas do Inatel participam de missão 5G na Europa

     Em missão realizada no início deste mês de junho na Europa, os especialistas e professores do Inatel, José Câmara Brito e Luciano Leonel Mendes, participaram de visitas em multinacionais da área de telecomunicações. A missão foi composta por três visitas, em diferentes países. A Telefônica em Madri na Espanha, a Ericsson em Estocolmo na Suécia, e a Nokia em Espoo na Finlândia, receberam os profissionais da instituição, acompanhados por Fabrício Lira do Centro de Pesquisa e Desenvolvimento em Telecomunicações (CPqD) e Rubens Souza do Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC).

Continue lendo “Especialistas do Inatel participam de missão 5G na Europa”

Eletricidade – Luz

Editado em 06 de julho de 1969    edição nº 48

Compilação

O artigo Iº. do projeto nº. 123, que fora apresentado à Câmara Municipal desta cidade, exatamente no dia 2 de Junho de 1910, encontra-se assim redigido.

«Fica o Agente do Executivo, autorizado a con­tratar com quem mais vantagens oferecer, a instala­ção, uso e gozo da indústria de eletricidade, nesta cidade e município, e o fornecimento da luz elétrica, com privilégio, pelo prazo de 25 anos e mediante as cláusulas constantes desta Lei».

Continue lendo “Eletricidade – Luz”

Um Roceiro, Um Balaio e Quatro Frangos

Editado em 28 de setembro de 1969  Nº. 060

Ele vinha da roça, descalço, esmulambado, chapéu esfiado, um velho balaio na esquerda e uma vara apoiada no ombro direito.

No balaio, duas dúzias de ovos. Pendurados na vara, quatro frangos, parei o carro.

– Quer uma carona compadre?

– Ói! Sim siô. ‘brigado…

– Como é? Vai vender na cidade?

– Vou, sim siô… Fazê a feira.

– Quando vale isso tudo?

Continue lendo “Um Roceiro, Um Balaio e Quatro Frangos”

T.V. a Cores: O preto e Branco

Editado em 27 de fevereiro de 1972 Nº 171

A pergunta vem surgindo a todo momento:

Quando é que as cidades do interior terão condições para receber os sinais da televisão colorida?

Em primeiro lugar, vale dizer que a TV em cores exige uma técnica muito mais sofisticada do que a TV em prêto e branco.

Acostumamo-nos facilitar com o “chuvisco” e com uma serie de defeitos comuns às regiões de recepção precária, em se tratando da imagem convencional. No entretanto, passando para cores, o olho humano, tem experiências, tornando-se imperceptível até, na recepção comum.

Continue lendo “T.V. a Cores: O preto e Branco”

O Trabalho Em Equipe

Editado em 28 de novembro de 1971

No dia 17 do corrente, quando da visita do senhor governador a esta cidade, tive a oportunidade de comprovar o valor do trabalho em equipe.

Para trabalhar em conjunto, sem dúvida alguma, é necessário planejar. Em matéria de planejamento estávamos muito bem, pois contávamos com a participação do Cel. Delvaux e do Pe. Ramon. O primeiro, presidente da ADARG, órgão que veio à luz com o fim precípuo de planejar o desenvolvimento  integrado da região sulmineira. O  segundo, diretor da Escola de Administração de Emprêsas de Santa Rita do Sapucaí, entidade que ensina o planejamento por excelência. Continue lendo “O Trabalho Em Equipe”

Bichos estranhos soltos nas ruas

Editado em 08 de março de 1970

Não. Não é onça vinda da serra do Paredão, Não é urso fugindo do circo. Não é praga de gafanhoto. Não é sapo que pulou fora da enchente. Não.

São os “bichos desengonçados de duas patas e de cabeleiras raspadas pela metade” que invadindo nossas ruas, vieram de longe prestigiar nossas Escolas e beneficiar-se do clima cultura de Santa Rita. Continue lendo “Bichos estranhos soltos nas ruas”

Cadeia para assassinos no volante

Editado em 10 de outubro de 1971

O Dr. Zé Arthur, nosso conterrâneo, está criando um caso medonho com os irresponsáveis do asfalto. Desenvolve uma campanha impiedosa, armado de leis, de argumentos filosóficos-morais, de marretas retóricos, de indignações cívicas e de  estatísticas assustadoras.

Na atualidade, o Brasil, apresenta um número  de acidentes de trânsito superior a 120.000 por ano. Em média, morrem anualmente 8.000 pessoas

Continue lendo “Cadeia para assassinos no volante”