Bichos estranhos soltos nas ruas

Editado em 08 de março de 1970

Não. Não é onça vinda da serra do Paredão, Não é urso fugindo do circo. Não é praga de gafanhoto. Não é sapo que pulou fora da enchente. Não.

São os “bichos desengonçados de duas patas e de cabeleiras raspadas pela metade” que invadindo nossas ruas, vieram de longe prestigiar nossas Escolas e beneficiar-se do clima cultura de Santa Rita. Continue lendo “Bichos estranhos soltos nas ruas”

Cadeia para assassinos no volante

Editado em 10 de outubro de 1971

O Dr. Zé Arthur, nosso conterrâneo, está criando um caso medonho com os irresponsáveis do asfalto. Desenvolve uma campanha impiedosa, armado de leis, de argumentos filosóficos-morais, de marretas retóricos, de indignações cívicas e de  estatísticas assustadoras.

Na atualidade, o Brasil, apresenta um número  de acidentes de trânsito superior a 120.000 por ano. Em média, morrem anualmente 8.000 pessoas

Continue lendo “Cadeia para assassinos no volante”

Vamos ÁGUA

Editado em 11 de julho de 1971  Nº 141

Estivemos fazendo uma visita ao “ponto alto” da água em nossa cidade. É bacana à bessa, e lá está, para quem quiser ver no alto da colina, em cima da Eletrônica.

O sr. Prefeito que lá estava nos recebeu com sorriso nos lábios e nos apresentou o dr. Wellington Diniz, engenheiro sanitarista, responsável pela construção da estação de tratamento de água, por intermédio dele ficamos sabendo que a de Santa Rita será a estação mais moderna do Brasil seu projeto foi feito após um do sistema Norte- americano.

Continue lendo “Vamos ÁGUA”

PROIBIDA AGUA DO RIO

Editado em 30 de maio de 1971   Nº  135

Boatos correram pela cidade de que altas autoridades teriam proibido a utilização da água de rios para abastecimento público. Só se for água do “Rio de Janeiro” que não é rio mas baía salgada… Aliás, cidade como a Capital Kuwait instalada em pleno deserto, à beira do mar, e submarinos e outros belonaves modernas estão bebendo água-marinha depois convenientemente destilada e tratada. Pior ainda, há uma cidade dos Estados Unidos, localizada no Texas sem água natural, mas com muito petróleo, que bebe os esgotos. Sim senhor, não precisa ficar fazendo caretas. É só manter uma estação de tratamento a rigor, com todas as esnobações

Continue lendo “PROIBIDA AGUA DO RIO”

A era Atômica

Editado em 10 de outubro de 1969 Nº 53

A palavra “Eletrônica”, que hoje designa um ramo vital da ciência e da indústria, era desconhecida em 1910. Aquilo que hoje assombra o mundo, amanhã será corrente.

Inventos, conquistas, maravilhas científicas fazem parte, hoje, da rotina diária. A humanidade despendeu 400 mil anos para aprender a dominar o fogo, outros mil para os fósforos de segurança apenas um século para fazer

Continue lendo “A era Atômica”

Êxodo Eletrônico para o Inatel

Editado em 31 de agosto de 1969 Nº 56

O s alunos do Inatel montaram e colocaram no ar a sua emissora, que se populariza não só nos meios estudantis como em qualquer outro meio civil, miliar etc.

Esta emissora, já conhecida pelo nome de Rádio Universidade Marechal Rondon 9.427  5 khz, 31 metros, ondas curtas, não só divulga o nome daquela faculdade, como também o nome desta cidade, a cidade eletrônica, o que deve ser um motivo de orgulho para os cidadãos localidade.

Continue lendo “Êxodo Eletrônico para o Inatel”

Estudantes fazem passeada

01 de dezembro de 1968   Nº. 21

Devido ao lamentável acontecimento ocorrido nesta cidade no dia 27 de novembro, a reportagem do “O CORREIO” saiu em campo, buscando as versões do fato.

Versão dos Estudantes.

Revoltados contra o que classificam de “atitude abusiva e revoltante da diretoria do Clube Santarritense proibindo um baile de formatura dos alunos da Escola Técnica de Eletrônica para impedir que os alunos negros dele participassem” os alunos da ETE e do Instituto Nacional de Telecomunicações atenderam convocação de seus Diretórios para  uma passeata de protesto em que  demonstrariam seu repúdio àquela decisão.

Continue lendo “Estudantes fazem passeada”

Sinhá

editado em 21 de setembro de 1969 Nº 059

Ao ver teu retrato, sorrindo, nas paredes deste palco que idealizaste e não pudeste inaugurar, ao ver teu busto altaneiro entre os jardins que tu  plantaste e não viste florescer, não há santarritense que não sinta confranger o coração, não há ser humano que não eleve a Deus uma prece, não há amigo que não dirija ao infinito uma pergunta:

Por que? Continue lendo “Sinhá”

Maus Pescadores Despovoam o Rio Sapucaí

Editado em 03 de novembro de 1968  Nº  17

Os peixes do rio Sapucaí estão diminuindo consideravelmente porque muitos pescadores usam equipamentos proibidos, como a rêde de arrastão, tarrafas, covos, bombas, que usados nos mais piscosos trechos não só capturam reprodutores, em épocas de procriação, como também as ovas.

Há poucos dias a SUDEPE (Superitendência do Desenvolvimento da Pesca)

Continue lendo “Maus Pescadores Despovoam o Rio Sapucaí”

Santa Rita no Ano 2000

Editado em 9 de fevereiro de 1969    –   Nº  30

Diziam-se outro dia: o destino de Sant Rita está intimamente ligado às escolas que existem, e às que serão nestes próximos anos.

Sim, parece essas pessoas estão cheias de razões, mas particularmente acho que Santa Rita  terá que agora planejar, em esforço conjunto, a  implantação de grandes industrias.

Continue lendo “Santa Rita no Ano 2000”