PATER NOSTRI DEUS,  PAI  ETERNO,  VELAI  PELOS  NOSSOS  PAIS

Editado em 11 de agosto de 1968      Nº 05

Quatro vidas… Quatro Destino

 

Se não é o mais pobre, é um dentre eles.

Vitimado por doenças, falta de emprego, o pobre pai de família habita em casebretôsco, onde inexiste o conforto e a fartura. Muito! Sim, mas de pobreza. A civilização tem sido, desde o inicio do mundo, essencialmente egoísta; todavia, ainda é tempo de estudarmos os nossos projetos e encaminharmos a nossa vida ao encontro da vida de nossos irmãos menos favorecidos pela fortuna, auxiliando-os no necessário.

Orando juntos ao nosso Deus, imploremos-lhe que proteja os pais pobre, tornando menos cruéis as suas vivências.

 

 

Industrial, homem de números, o dia todo voltado aos afazeres. O Super Homem da nossa civilização.

Mas… pai, também. Ou melhor, além de tudo. Extremoso. Desdobrou-se em desvelos para com uma de sua filhas, meiga e linda, vitimada por  doença incurável.

Este homem de números, coração retalhado, cuidou, escondendo de todos a dolorosa verdade, cuidou, repito, ansioso, sofrido, chorando as escondidas, que a carne de sua carne vivesse feliz no pouco tempo que lhe restava nesta terra. Todos juntos, clamemos a Deus, Pai Eterno – Livrai-nos de tanto sofrimento.

 

O homem sadio de mente e de corpo. Homem do campo. De vida simples, sem grandes percalços. Prole numerosa.

De repente. Surpreza! NCr$10.000,00. Sim, cem mil cruzeiros novos ou se quiserem, cem milhões de cruzeiros antigos. Sorte, muita sorte.

O nosso conhecido Caruso, dono do “Campeão do Sul”, ao vender-lhe o bilhete, entregou-lhe os cem milhões. Sorte, muita sorte.

Novos rumos surgirão, novos caminhos abrir-se-ão sereno lavrador.

Que Deus torne propícios seus futuros passos.

 

Eis o pai infeliz, fechado, com amargura, a nossa estória.

Possue filhos, dois, por sinal; esposa e mãe. Mas, é como se os não tivesse. A grade cruel o separa do mundo, o segrega da sociedade.

Expia algum crime, paga o seu tributo à quebra dos mandamentos da lei.

Por detraz da grade, seu pensamento, fixa-se nos seus seres queridos com aquela saudade que estrangula o soluço em sua garganta.

Meu Deus, por que tanta infelicidade. Roguemos a Deus, nosso Pai Eterno, para que sejamos justos, bons e dignos, a fim de possuirmos em plenitude os direitos humanos.

Dar sugestão e-mail: jornalocorreio07@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *