Cooperativa Forte,  Interessa?

Editado em 19 de março de 1972    –    Nº 174

Nossa cidade tem uma vocação de cooperativismo.

Os dois grandes setores de produção na área – leite  e café foram encarados desde muito cedo dentro da perspectiva da cooperação.

Ambas as cooperativas cresceram e se tornaram relativamente importantes na comunidade e na região.

Ambas tem servido aos associados no meio das inseguranças que incidem sobre o campo.

A maioria absoluta dos produtores de leite e do café fazem parte de ambas as cooperativas.

Técnicos e assessores do Ministério do interior, informados de que se está processando uma integração das Cooperativas Leiteiras de Santa Rita, Carmo de Minas e Careaçu, não pouparam elogios à iniciativas. A hipótese da fusão das Cooperativas de leite e da Cooperativa dos Cafeicultores do Vale do Sapucaí foi objeto de um comentário altamente significativo, que prazeirosamente  transmitimos aos leitores do O CORREIO.

Resumidamente, disseram os assessores do Ministério do Interior, Dr. Manoel Clementino e Dra. Palmeirinha Donato:

“Vocês, em Santa Rita, contam com a vantagem de serem um povo esclarecido que enxerga ao longe e tende a seguir os correntes econômicas do momento. A incorporação das cooperativas possivelmente criará a maior Cooperativa Regional do Brasil. É evidente que será a maior de Minas. Hoje não vai mais sobrando lugar pequenas  industrias, pequenas cooperativas, pequenos bancos. Os indivíduos isolados e as empresas isoladas irão se esvaziando até serem engolidos pela macroeconomia contemporânea. E o lamentável é que irão definhando sem que eles próprios o percebam, terminando em bancar o ‘lobo solitário’.

A tecnológica não deixa mais florestas virgens para lobos solitários. Vocês estão de parabéns lá em Santa Rita”.

O trecho acima foi extraído das anotações que o Pe. Ramon e o Dr. Luiz Horta tomaram numa entrevista que lhes foi concedida no Ministério do Interior para tratar de assuntos de interesses da  região.

Vemos que se as pessoas situados em postos elevados e que por isso mesmo, captam horizonte mais amplos do panorama nacional aprovam, louvam e incentivam a transformação de 4 cooperativas médias numa COOPERATIVA REGIONAL AGRO-PECUÁRIA,  grande e poderosa.

Assim haverá condições para levantar a voz com autoridade, poder-se-á comercializar diretamente sem recorrer a intermediários “sangue-sugas”, poder-se-á negociar financiamentos vultosos sob condições interessantes, pode-se-á partir para a industrialização, etc.

Se as nossas 4 cooperativas ficarem orgulhosamente isoladas, pretensiosamente desintegradas, ferioridade para subsistir precariamente dentro duma competição em progressiva hospitalidade, na qual impera a “lei da selva” e a “lei da sobrevivência do mais forte”.

Integrar para não entregar é um batido slogan que serve a todos os cooperados Santarritense,  tanto do leite quando do café.

Unir para desenvolver é outro slogan, não tão batido, nas que representa a filosofia do Governo Federal.

Nossa comunidade tem uma vocação de cooperativismo.

Não podemos renegar dela!.

Sugestão da redação do jornalocorreio07@gmail.com

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *