Vamos ÁGUA

Editado em 11 de julho de 1971  Nº 141

Estivemos fazendo uma visita ao “ponto alto” da água em nossa cidade. É bacana à bessa, e lá está, para quem quiser ver no alto da colina, em cima da Eletrônica.

O sr. Prefeito que lá estava nos recebeu com sorriso nos lábios e nos apresentou o dr. Wellington Diniz, engenheiro sanitarista, responsável pela construção da estação de tratamento de água, por intermédio dele ficamos sabendo que a de Santa Rita será a estação mais moderna do Brasil seu projeto foi feito após um do sistema Norte- americano.

Esse estudo foi feito lá nos Estados Unidos mesmo e se baseia na aceleração da decantação dos flóculos.

As outras estações do Brasil inclusive a de Pouso Alegre, são baseadas no sistema tradicional de decantação, o que toma muito tempo e requer maior área de construção. O nosso sistema é simples e funcional: a água vem do rio Sapucaí para um enorme depósito onde recebe produtos químicos especiais, como o sulfado de alumínio, para a aglutinação das matérias solidas. Esses é o processo que também se usa nas piscinas para limpeza da água.

No sistema tradicional a matéria sólida se deposita no fundo do recipiente pelo seu próprio peso, o que requer tempo. O nosso sistema se utiliza de tubos com inclinação de 60 gráus  por onde sobe a água após deixar a matéria sólida sob pressão no fundo da caixa. Dessa forma a matéria solida se deposita no fundo do deposito e a água sobe para um outro recipiente onde á clorada e filtrada. A filtragem requer novos tratamentos químicos mecânicos ate chegar ao reservatório final para a distribuição na cidade

Daí ela sairá fresquinha e clara como a água da terra. O importante é que não terá micróbios. É água boa para beber e usar a vontade.

Vamos poder tomar banho de 2 horas. Glup!… Glup! Adeus desodorante! Vai ter muito nêgo mudando de côr por aí.

Não resistimos à curiosidade e perguntamos ao prefeito e ao engenheiro porque Não quiseram captar a água do Vintém, que é mais limpa e mais fresca do que a água do Rio Sapucaí. A resposta veio na hora, e eles nos explicaram que não se deve confundir água clara e límpida com água boa e saudável.

A limpeza de uma água indica apenas que ela não tem terra dissolvida, que ela não tem barro. Só isso.

A análise das águas, tanto do Sapucaí como a do Vintém, indicou que a única diferença entre elas é a côr.

A água do Vintém não é mais pura que a água do Rio Sapucaí. Apenas ela não tem barro, o que não a torna saudável. Daí, então resolveram captar esta, que está mais perto, e é em maior quatidade. A tubulação para trazer a água do Vintém tornaria o produto mais caro, além de tudo. De outro lado, o Sapucaí não corre o risco de diminuir de mais suas águas na sêca.

O engenheiro, muito alegre e atencioso, nos explicou que a água de Santa Rita será a mais moderna e mais pura do Brasil.

A água mineral só será igual em pureza se fôr tomada a frente, pois as águas de garrafão são impuras no sentido de micróbios, pelo contacto com o vasilhame mal lavado.

Sugestão e-mail: contato@jornalocorreio.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *